Rede Social Brasileira por Cidades Justas e Sustentáveis

SUS longe do ideal: 20% dos municípios teve desempenho muito baixo

 

Fonte: Observatório do Recife

 

O acesso de usuários e a qualidade do atendimento do SUS no país tiraram nota 5,47, no Índice de Desempenho do Sistema Único de Saúde (IDSUS 2011), indicador que varia de zero a 10, lançado nessa quinta-feira pelo Ministério da Saúde. Mais de 20% dos municípios, no entanto, tiveram desempenho pior que 5, nota considerada metade do caminho para o SUS ideal, que atende com efetividade a todos. O percentual de cidades com desempenho abaixo de 5 chega ao extremo negativo de 58,3% no Norte e positivo de 3,7% no Sul.


Os três estados do Sul tiveram as melhores notas no Índice de Desenvolvimento do Sistema Único de Saúde (IDSUS). A saúde pública em Santa Catarina obteve nota 6,29, seguida pelo Paraná, 6,23, e Rio Grande do Sul, 5,9. No outro extremo da tabela está o Pará, que obteve nota 4,17, abaixo de Rondônia, 4,49, e Rio de Janeiro,4,58. Os três estados são os únicos abaixo da nota cinco. Minas Gerais obteve 5,87 e Belo Horizonte, 6,4.


Segundo entidades do setor, é a primeira vez que se propõe um índice como esse para avaliar o desempenho da rede pública de saúde no país, em cada município, estado e região. A ideia, segundo o ministério, é criar metas de melhoria do índice para distribuir verbas extra de incentivo entre os governos locais. A análise feita pelo governo é que, de forma geral, o que puxou para baixo a nota do país foi o acesso ao SUS e, dentro disso, o acesso a serviços especializados – como exames mais elaborados e consultas com especialistas.



A pequena cidade de Arco-Íris, no interior paulista, registrou a melhor nota (8,38) no IDSUS 2011, que considera dados colhidos entre 2007 e 2010. No outro extremo, Pilão Arcado, na Bahia, teve nota 2,5. Para evitar esse ranking nacional, com comparações entre estruturas e condições econômicas distintas, o governo dividiu os municípios em seis grupos – de 1 (mais rico e mais estrutura de saúde) a 6 (menos rico, mais desigual e com pior estrutura de saúde). Mais de 75% das cidades caíram nos grupos 5 e 6, ou seja, com as piores condições de saúde e econômicas.


Vitória (ES) lidera o grupo 1 e as capitais, com nota 7,08. São Paulo é a 10ª melhor colocada no mesmo grupo. Já a cidade do Rio de Janeiro foi classificada como a pior no grupo 1 e a pior entre as capitais, com nota 4,33. Segundo o ministério, se usados dados colhidos em 2011, a nota do Rio seria maior, já que, no ano passado, a cidade ampliou as equipes de saúde da família.


O IDSUS é formado por 24 indicadores de saúde, 14 de acesso ao serviço (como proporção de mamografias e exames papanicolau feitos, proporção de internações de alta complexidade) e 10 que medem a efetividade do atendimento recebido (como proporção de parto normal, cobertura vacinal da tetravalente e proporção de cura de novos casos de tuberculose). A nota individual desses indicadores poderá ser consultada no site do ministério (www.saude.gov.br/idsus). Ela é dada considerando o parâmetro internacional quando houver e, quando não houver essa meta, um parâmetro criado pelo ministério com base nas 60 cidades brasileiras com maior capacidade de atendimento.


Exibições: 17

Tags: cidadessustentaveis, observatoriodorecife, rededecidades, saudepublicabrasileira, sus

Comentar

Você precisa ser um membro de Rede Social Brasileira por Cidades Justas e Sustentáveis para adicionar comentários!

Entrar em Rede Social Brasileira por Cidades Justas e Sustentáveis

© 2014   Criado por Ana Fisch.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço